Bebidas alcoólicas e amamentação: conheça os cuidados

A gente sabe que, se beber, o certo é não dirigir. E amamentar depois de tomar umas, pode? O tema de hoje é a relação entre bebidas alcoólicas e o aleitamento materno. Vamos lá!

Proibido não é, pelo menos para a maioria. Mas, é preciso tomar alguns cuidados com o consumo de bebida alcoólica nesta fase, especialmente antes e após a ingestão.

E outra: depois de meses de cuidados com a alimentação para gerar um bebê saudável, é importante continuar atenta aos itens que podem ser prejudiciais, assim como às bebidas quem têm álcool em sua composição.

Tais produtos são capazes de afetar a produção de hormônios ligados à amamentação. Estudos publicados nos Estados Unidos revelam que o álcool interfere na prolactina e ocitocina, responsáveis pela produção e ejeção do leite.

Um detalhe importante a ser considerado é que os níveis de álcool no sangue e no leite permanecem os mesmos de 2 à 12 horas após a ingestão das bebidas, um tempo de metabolização que depende da quantidade e consumida e do organismo da mulher.

Por exemplo: uma lata de cerveja. O corpo leva até 2 horas para eliminar o álcool contido nela. Enquanto as bebidas destiladas, vinhos e a própria cerveja em excesso precisam de mais tempo para serem expulsos do sangue e do leite, podendo permanecer até seis horas no corpo.

Na prática, isso significa que, se a mãe toma somente uma dose, pode amamentar duas horas depois, sem problema. Se a dose for mais forte ou ela tomar umas cervejinhas a mais, o recomendado é pular a amamentação. Fica para a próxima…

Ingestão de álcool x Aleitamento materno

amamentacao

Na verdade, o tema é pouco discutido e, talvez por isso, pouco compreendido pelos profissionais que acompanham mães e filhos.

As bebidas estão por toda a parte, inseridas no dia a dia de homens e mulheres. E muitas delas fazem uso do álcool antes, durante e após a gravidez, desconhecendo seus efeitos.

Aproximadamente 68% das mulheres entre 18 e 34 anos têm o hábito de consumir bebida alcoólica com certa frequência. Ou seja, mais da metade das mulheres em idade fértil.

A recomendação do “Guia Amamentação e uso de medicamentos e outras substâncias do Ministério da Saúde” é a seguinte em relação ao álcool: “uso criterioso durante a amamentação”.

Pesquisas indicam que, em média, 16% do álcool ingerido pela mãe chega ao bebê que mama no peito e leva de 30 a 90 minutos para ser eliminado do organismo da criança.

Bebidas alcoólicas deprimem o Sistema Nervoso Central e, por causa da baixa atividade da enzima álcool-desidrogenase em recém-nascidos e lactentes jovens, podem causar danos. Estes dependem da dose ingerida pela mãe. Confira alguns:

• Alteração no sono;
• Redução da ingestão de leite;
• Hipoglicemia;
• Queda no desenvolvimento motor.

A amamentação requer cuidados, mas ninguém proíbe a mulher de ingerir bebidas alcoólicas. Porém, é bom ficar atenta ao seguinte:

• Se você vai beber, tire o leite, deixe-o congelado;
• O recomendado é amamentar antes de consumir álcool;
• Depois de beber, espere, de preferência, 6 horas para amamentar;
• Não dê o seio ao seu filho logo após beber, pois o álcool pode ir para o leite;
• Jamais amamente enquanto estiver ingerindo bebidas alcoólicas;

O tempo da mamada seguinte à ingestão de bebida alcoólica dependerá do peso materno e da dose ingerida.

Se não for possível esperar 6 horas para oferecer o seio à criança, evite amamentar pelo menos nas 2 horas posteriores à ingestão do álcool.

No caso das mães alcoólatras, as consumidoras crônicas ou “pesadas”, elas não devem amamentar.

Cuide-se e até o próximo post!