Esportes para crianças: Saúde e bem estar

Crianças que praticam esportes têm mais disciplina, são mais atenciosas. Dizem também que a natação é a modalidade completa e mais indicada para elas. E quando será a hora certa de iniciar? Tire suas dúvidas conferindo o post de hoje!

Em geral, quanto mais cedo o esporte for apresentado aos pequenos, melhor será sua aceitação. A dica é oferecer a prática esportiva de forma lúdica, e não como uma obrigação cercada de cobranças por resultados.

É claro que o esporte é essencial para o desenvolvimento da criança, mas ele precisa estar de acordo com a faixa etária, com as aptidões em cada fase da vida.

O estágio de desenvolvimento neuropsicomotor da criança influencia bastante a decisão de qual esporte praticar. Por exemplo: aprender regas de futebol aos dois anos de idade não é algo muito viável.

Veja uma lista do que pode ser estimulado em cada época da infância

  • Até 1 ano de vida – é tempo de atividades básicas, de engatinhar, dar os primeiros passos de forma leve e harmoniosa. Todo o cuidado deve ser em torno do fato de que é a fase inicial de crescimento do bebê. Nada de exageros, papais!
  • De 1 a 6 anos – sem dúvida, a natação é uma boa ideia, e justificativas não faltam para ressaltar a importância dela. Para citar algumas: ajuda a trabalhar o sistema respiratório; auxilia no desenvolvimento motor; favorece o equilíbrio e a postura.

Sem contar que na natação não há regras complexas como no futebol. A criança cai na água e aprende a nadar.

  • De 6 a 12 anos – esportes com técnicas e regras são ideais, mas é interessante levar em conta as aptidões do filho na escolha do esporte.

Dicas: vôlei, futebol e basquete, por exemplo, mexem bastante com o lado psicológico. Estas modalidades auxiliam no trabalho em equipe, na convivência com personalidades distintas e no aprendizado de perdas e ganhos.

E ainda: judô e caratê são esportes individuais extremamente técnicos; trabalham muito a disciplina. Sem concentração e mentalização o atleta não consegue bons resultados, ou seja, nem sempre o mais forte vence. Uma lição que pode render bons frutos na vida adulta.

A importância dos esportes para crianças: saiba mais

Mesmo que, ao crescer, o seu filho não siga uma carreira esportiva, os hábitos saudáveis que ele adquire cedo fazem bastante diferença no futuro. Praticar atividade física ajuda a ter melhor qualidade na vida adulta, especialmente na prevenção de possíveis doenças provocadas pelo sedentarismo.

Seja qual for o esporte, ele é fundamental para a saúde e o bem-estar do ser humano. E jamais deve ser colocado como obrigação, imposição do desejo dos pais.

O foco é o desenvolvimento físico e mental do pequeno ser em formação. A contribuição precisa ser positiva, e não somente uma necessidade extrema de transformar crianças em atletas.

Se a carreira tiver que acontecer, que seja espontaneamente, e com o desejo real do menino ou menina por aquilo que está fazendo.

Entre os 4 e 6 anos, o esporte precisa ser tão prazeroso quanto uma brincadeira. Imagine, então, submeter uma criança nesta fase a uma rotina e pressão típicas de um atleta olímpico…

Tudo o que ela precisa é aprender a correr, pedalar, brincar em grupo, sem grande compromisso.

É a fase de experimentar várias modalidades. Não deve haver obrigação de aprender técnicas. Caso contrário, a criança pode até perder o interesse de vez por um esporte.

Maiorzinha, lá pelos 8 anos, aí sim, os pais e educadores físicos podem deixar que ela vá se direcionando aos poucos para determinado esporte, sempre em função de suas próprias preferências e habilidades, e não de acordo com os sonhos dos adultos.

Boa sorte na escolha, e até o próximo post!