Manobra de Kristeller: saiba o que é o procedimento

Embora as sociedades antigas tivessem uma grande sabedoria em relação a partos e nascimento, o antigo nem sempre é o melhor. Só porque uma sociedade antiga usou uma determinada posição ou técnica isso não significa que isso seja necessariamente uma boa ideia.

Uma técnica que ocasionalmente é encontrada em algumas culturas antigas ou tribais e que não é muito apoiada pela ciência é a Manobra de Kristeller, onde você pressiona o topo do útero da mãe para tentar acelerar o trabalho de parto ou forçar o nascimento de um bebê.

Infelizmente, esta é uma prática antiga que ainda é encontrada no moderno mundo obstétrico – mas não deveria ser, principalmente porque não é útil na maioria dos casos e muitas vezes é prejudicial.

Várias culturas utilizavam a pressão do braço de um auxiliar na hora do parto para pressionar o útero da mulher durante o trabalho de parto. Geralmente, isso só era adicionado durante um nascimento difícil como último recurso, já que existiam outras poucas opções e uma cesariana só era feita se a mãe já tivesse morrido ou se estivesse quase morrendo. Na maioria das vezes, a manobra de kristeller era verdadeiramente uma opção de último caso.

No entanto, às vezes a manobra de kristeller era utilizada rotineiramente durante o trabalho de parto em certas culturas e tempos, por volta de 1840. Embora não seja comum, a manobra de kristeller foi uma técnica vista em algumas culturas antigas. No entanto, seu uso em configurações modernas é altamente questionável.

O que é a Manobra de Kristeller

A manobra de kristeller acontece quando alguém pressiona o topo do útero da mãe, na área mais próxima de suas costelas em pleno trabalho de parto. Às vezes, isso é feito com uma constante pressão descendente feita pelos braços de um assistente, às vezes em uma série de impulsos curtos, afiados e muito vigorosos na parte superior do útero durante as contrações.

A manobra de Kristeller ainda é utilizada?

Esta técnica antiga foi trazida para os hospitais porque, em meados do século 20, as mulheres davam à luz deitadas com os pés elevados, e geralmente, as mulheres estavam fortemente drogadas e tinham dificuldades em ajudar o bebê a se mover para baixo. Os bebês precisavam nascer o mais rápido possível devido ao sofrimento fetal frequente devido às drogas e à posição adotada. Como resultado, os hospitais acabavam amarrando as mulheres, realizavam episiotomias para alargar a vagina e faziam com que as enfermeiras usassem a manobra de kristeller para empurrar enquanto o médico usava pinças para puxar o bebê o mais rápido possível.

Apesar do fato de que tais drogas perigosas não são mais utilizadas, a manobra de kristeller é uma técnica ainda vista em alguns hospitais. Essa manobra é frequentemente feita durante um trabalho de parto lento, ou quando a mãe é vista como incapaz de empurrar muito, porque está cansada ou porque está anestesiada.

Como dito anteriormente, a manobra de kristeller era feita em sociedades tribais, mas apareceu principalmente como um recurso desesperado e de última medida em um trabalho de parto difícil e prolongado. Uma vez que não se recorria a uma cesárea segura como alternativa durante um trabalho de parto difícil, a manobra de kristeller tornou-se parte da tradição popular.

Embora seja possível obter muita sabedoria a partir de práticas de parto tribais e históricas, isso não significa que tudo o que foi feito anteriormente funciona hoje em dia, e nós sabemos que a medicina evolui a cada dia.

Nós temos alternativas mais seguras e mais humanas para muitas coisas hoje em dia; e a manobra de kristeller não é a única opção quando um trabalho de parto mais difícil e lento está acontecendo.

As condições de parto hoje são muito diferentes do que eram em meados dos anos 1900. Embora muitas mulheres ainda estejam expostas a drogas através de anestesias, a exposição fetal a essas anestesias é consideravelmente menor do que em relação as drogas utilizadas no passado, onde o trabalho de parto não precisa ser apressado a fim de minimizar o risco de sofrimento fetal e hipoxia.

Opções à manobra de Kristeller

Existem alternativas mais simples, mais seguras e mais humanas para a manobra de kristeller durante o trabalho de parto, e entre elas, temos:

Colocar a mamãe mais inclinada para baixo: Isso ajuda a mãe a trabalhar com a gravidade em vez de ter que empurrar o bebê contra ela, e simplesmente estar na posição correta na hora do parto já ajuda a acelerar o mesmo.

Evitar anestesias: As pesquisas mostram que as anestesias epidurais são um fator de risco significativo para atrasar o trabalho de parto. Embora a tecnologia de hoje seja muito melhor em relação as anestesias, se você já souber que seu trabalho de parto poderá ser um pouco mais longo, você deve evitar as anestesias, mesmo que isso signifique alguma dor na hora do parto. Porém, é verdade que muitas mulheres poderiam tranquilamente aguentar melhor a dor do parto sem anestesias se escolhessem alternativas para alívio da dor (como a imersão em água).

Se anestesias forem aplicadas: Se uma epidural é aplicada, é recomendado que o médico trabalhe segundo a descendência fetal passiva. Em muitos hospitais, uma vez que a dilatação completa é alcançada, a mãe é instruída a empurrar imediatamente e com força, no entanto, pesquisas substanciais mostram vantagens em adiar o empurrão, deixando a mãe empurrar com calma primeiro, usando a descendência fetal passiva antes do empurrão ativo começar.

Manter a mãe móvel durante o trabalho de parto: Deve-se encorajar a mãe a ser móvel durante o trabalho de parto, uma vez que isso pode ajudar a reduzir suas chances de cesariana. Além disso, certas posições podem dar mais espaço na pelve ou ajudar bebês mal posicionados a girar durante o trabalho em posições melhores.

Ser mais paciente: Muitas vezes, o bebê só precisa de tempo para mudar para uma melhor posição para o nascimento. Uma vez feito isso, muitos casos de “trabalho de parto lento” progridem muito bem. O seu médico deverá evitar cronogramas arbitrários e julgar cada caso individualmente.

Se nenhuma dessas técnicas ajudar, uma cesariana pode ser considerada. Embora as cesarianas sejam uma cirurgia significativa e não devam ser utilizadas sem necessidade, elas são muito mais seguras do que costumavam ser. Às vezes, eles podem ser a melhor escolha em um trabalho de parto longo, difícil e não progressivo.

Você agora já sabe o que é a manobra de kristeller, e sabe que seu médico (a) saberá exatamente o que fazer no seu caso, e você deve confiar nele. Porém, se você quiser questionar algumas coisas e tem interesse nos detalhes de como o parto irá ocorrer, converse com ele sobre isso, diga que leu sobre manobra de kristeller, se informe, tire suas dúvidas e siga tranquila para o seu grande dia e o grande dia do seu bebê.