Obesidade após gravidez: entenda suas causas e como prevenir

Passar por uma gestação sem mudanças físicas é impossível. Afinal, o corpo precisa acomodar o bebê e permitir seu desenvolvimento. Mas algumas mulheres podem ter outras consequências, tais como a obesidade após gravidez.

Garantir a saúde da mãe e da criança durante a gestação é apenas metade dos desafios. A outra surge a partir do momento de dar à luz, principalmente com o aumento nos índices de obesidade e na gravidade dos casos.

A obesidade afeta milhares de pessoas no mundo todo, infelizmente, e cada vez mais indivíduos são acometidos pela doença a cada ano. As consequências são complicações como diabetes, hipertensão e pré-eclâmpsia, especialmente no final da gravidez.

É grande o número de mulheres que tem ganho de peso além do esperado ao longo da gestação por causa de hábitos alimentares ruins – e que continuam com eles depois da chegada da criança. Assim, passam a integrar o grupo com obesidade após gravidez.

Tanto os países desenvolvidos quanto os em desenvolvimento enfrentam hoje a obesidade como um dos principais problemas de saúde pública. E um detalhe importante: o ganho de peso excessivo na gestação surge com uma possível causa da obesidade entre as mulheres, segundo estudos.

Além da questão alimentar inadequada, outras características estão ligadas ao ganho de peso na gestação. São os fatores:

• Sociodemográficos – grau de escolaridade, idade, presença de companheiro;
• Obstétricos – paridade, intervalo entre um parto e outro, etc.;
• Comportamentais – hábito de fumar e trabalho fora de casa, por exemplo.

Entenda como ocorre a obesidade depois do parto

obesidade-apos-a-gravidez

A gravidez é uma fase delicada e requer cuidados especiais, especialmente em relação à alimentação da mulher. Ela tem ligação direta com o bem-estar de mãe e filho não apenas na vida intrauterina, mas no futuro também.

Leia também: Alimentação durante a gestação: saiba o que comer

Começar uma gravidez já com sobrepeso ou ganhar peso demais no decorrer da gestação é fator de risco para complicações, principalmente na reta final para o parto.

O alto índice de mortalidade de recém-nascidos e de crianças com defeito no tubo neural está relacionado à obesidade durante a gestação. Porém, ela pode surgir ou ser acentuada após o nascimento do bebê.

Seja qual for o contexto, é fundamental tomar medidas para disciplinar a alimentação das mulheres que ganham muito peso estando grávidas ou amamentando sem, contudo, interferir na qualidade da assistência ao filho.

Os profissionais de saúde e autoridades buscam métodos e estratégias de prevenção, tratamento e controle da obesidade de suas pacientes em diversas fases de suas vidas. Durante a gravidez, é necessário conhecer os riscos específicos.

Outra forma de tentar minimizar a obesidade após gravidez é por meio da educação, encorajando as mulheres que já tiveram filho a planejar engravidar com um peso corporal adequado na gestação seguinte.

Da mesma maneira com que é feita a advertência sobre os riscos de fumar ao esperar uma criança, é preciso reforçar que obesidade é algo perigoso. E comer demais não garante vitaminas importantes para a gravidez, por exemplo. Muitas obesas são deficientes neste ponto.

Existem mitos que cercam o período pós-parto e o excesso de peso. Um deles é de que os níveis de amamentação são grandes entre mulheres obesas.

Na verdade, eles são baixos, sendo que 80% delas começam a amamentar e menos de 50% prosseguem por mais de seis meses. Mesmo que o gesto esteja associado ao emagrecimento no pós-parto, além de trazer diversos outros benefícios para mãe e filho.

O fato é que o tamanho do seio não tem a ver com a quantidade de leite produzida. Normalmente, é mais difícil amamentar quando a mulher tem obesidade, pois o leite leva mais tempo para chegar e a produção pode ser menor.

Nascimentos prematuros costumam resultar em separações maiores entre a mãe e o bebê. As complicações maternas e cesarianas reforçam o quadro, fazendo com que a obesidade após a gravidez atrapalhe o aleitamento. Enfim, é um problema que pede uma equipe multidisciplinar para garantir melhores condições o quanto antes.

Até o próximo post!